quarta-feira, 24 de março de 2010

Emprega-se: Jovens solteiras ou sem filhos.

Era este o anúncio que, além de dar título a esta história, Camila leu no jornal. O emprego era para trabalhar como secretária. Não se exigia experiência. Desejável possuir conhecimentos básicos em informática e ser comunicativa. Porém, a candidata deveria ser solteira ou não possuir filhos.

Ora, Camila tinha todos os pré-requisitos à vaga, menos o estado civil e a condição de mãe. Casada a pouco mais de cinco anos, mãe de duas crianças, Camila não entendera por que uma empresa não contrataria alguém só por estar casada ou ser mãe. Sendo assim, foi até o endereço de recrutamento.

Chegando lá, a fila não era grande, por volta de oito jovens como ela. Encaminharam as candidatas para uma sala e distribuíram fichas para serem preenchidas com dados pessoais, experiências, entre outras informações relevantes. E, é claro, o tal do estado civil e os dependentes.

Após entregar as fichas, todas as jovens continuaram na sala aguardando uma próxima etapa. Neste ambiente, havia uma televisão e alguns salgados. Porém, nenhuma garota estava à vontade para se servir. Mas, pelos olhares e constante umedecida nos lábios, todas estavam com fome.

Uma senhora, trajando social, apareceu na porta da sala com as fichas em mãos e chamou garota por garota. Tratava-se de uma entrevista, onde a empregadora perguntaria sobre as informações citadas na ficha.

Camila foi à quarta ou a quinta garota a ser chamada. Sentou-se de frente a senhora que lhe desejou bom dia e começou a sabatina. A entrevista estava caminhando bem, Camila era, de fato, muito comunicativa. Mas, a empregadora logo informou que, apesar dos atributos da jovem, o emprego era para moças solteiras ou sem filhos. Camila que, já aguardava por este momento, questionou tal condição. A senhora então explicou, expondo que, pelo fato da jovem ter filhos, seria bem provável que poderia faltar no emprego devido à dependência que as crianças têm da mãe.

Esbravejando sobre a condição, Camila argumentava e buscava convencer a empregadora a dar-lhe essa oportunidade de emprego. Ora, se a empresa nunca contratou jovens com filhos, não sabia se, de fato, os filhos traziam empecilhos aos empregados. Bem, os tantos questionamentos e persuasões, surtiram efeito. Camila conseguiu o emprego!

Era sexta, o início era na segunda. Camila foi pra casa feliz da vida. Separou os documentos pedidos pelo setor de RH, comprou duas calças novas e ligou para o maridão. Estava ansiosa e não via à hora de começar no novo trabalho. Passou-se o fim de semana e a segunda amanheceu. Camila acordou as seis, já que entraria as nove e dependia de três conduções. Tomou banho, se trocou, aprontou um ligeiro café e, antes de sair, resolveu dar um beijo nas crianças. Foi então que percebeu, sua filha mais nova queimava em febre. Com o beijo da mãe, a menina despertou chorando muito. Camila então ligou no trabalho dizendo que não poderia ir.

20 comentários:

Carol Rodrigues disse...

Adorei kkkkkkkkkk
Coitada da Camila

_TaTHa_ disse...

O beijo na filha ardendo em febre me emocionou...
Creio que só quem é mãe compreenda
A familia é o nosso alicerce, é o nosso porto seguro. Então questiono, até que ponto é valido abrir mão de certos valores?

Tatiane Garcia disse...

kkkkkkk que frustrante isso!!! kkkk! Isso é que é contrariar suas próprias convicções né...rsss..
Beijo!

Sophia disse...

Porque quem faltou ao trabalho não foi o pai das crianças?
Acho que quando sua sogra lhe contou essa história estava, subliminarmente, dizendo pra vc ter um ótimo emprego e ganhar muito bem se quisesse tirar sua filhinha da casa dela!
Fica esperto, rapaz!
rsrs
Bjk

Leca disse...

Pois é...a sociedade brasileira continua machista...e as mulheres por sua vez não fazem muita força pra mudar esse triste quadro...
Uma mulher precisa estudar e continuar estudando, se especializar...
casar e ter filho...senão é rotulada de mal amada...
precisa ter uma jornada dupla ou tripla...senão perde o que conquistou.
precisa se sujeitar a ganhar menos que o homem...senão não consegue emprego ou perde o marido.
Por que...que a Camila não foi pro trabalho...e deixou o marido em casa cuidando do rebento que é dos dois?
Adorei ler o seu texto...me fez repensar muitas coisas...
beijo
Leca

Nadine Granad disse...

... Apenas reafirmando: escreve bem!...
Linguagem cotidiana, ao mesmo tempo rica (ideias e liguisticamente!!!)


Abraços!

Sou blogueiro - INDICOESSE disse...

Noss pelo menos Camila conseguiu o emprego. Tomara que ela não perca agora que de primeira já teve de cuidar da filha. Puxa!

Sucesso pra vc Camila!(personalizei!

Paulinha disse...

Situação de conflito.
No entanto são os dias atuais.
Infelizmente ou felizmente as mulheres são mães, esposas, maridos...enfim..essa "metamorfose ambulante".
Bem vindos aos Tempos Modernos.

Jorge de Barros disse...

O mundo feladaputa

Strohdiek disse...

O mundo feladaputa [2]

disse...

Adaptada ou não, esta é uma história e tanto. E claro, com um final diferente do que eu previa durante a leitura!
Excelente.

Mentirosa-Sama ♥ disse...

POis eh, muitos casos de camilas existem pelo mundo, mas eu acho uma injustiça, por mais que o texto seja de humor (?).
Eu jah vi mta injustiça pelos mesmos motivos. Cuidem de suas filha e trabalhem Camilas! VCS merecem!

Nadine Granad disse...

http://nadinegranad.blogspot.com/2010/03/selo.html

[Priscila] disse...

É de partir o coração, mas é verdade... isso sempre acontece!

Vanessa Souza Moraes disse...

Dores e delícias da maternidade.

SAL disse...

hahaha... Camila não é diferente das outras mães! q bom!

não acho o texto machista... é real!
não acho q seja uma questão meramente cultural, o fato é que o elo entre mãe e filho (criança) no contexto padrão, é geralmente mais forte.

aqueeeles 9 meses não é questão de cultura. é natureza.


uma pena é que os contratantes não se habituem (e nem encontrem uma outra solução, como espaço infantil e pediatrico na empresa) com isso, e fazem disso, um problema.

seu blog é um luxo! textos polêmicos, bem escritos e com um conteudo extremamente interessante!

amei! bjo

R.K disse...

Adorei o texto, amei o blog.
Coisas boas ainda se acham na net.
Parabéns
Quel
www.bagunca-bem-feita.blogspot.com

Mutante disse...

eu temia por esse final, talvez por esperar que tudo sempre acabe bem...
mas eu gostei assim mesmo!=D

Mikaele Ephemeron disse...

será que odestino conspira contra???rsrs, ou foi mais uma pegadinha? Bom, de qualquer forma eu gostaria de saber o que aconteceu quando ela ligou no serviço.

adorei aqui.

vou seguir.

Greta disse...

Oi,Thiago, beleza?
Então apareci.
Já te disse que vc escreve muito bem.Esta na hora de publicar um livro!
Bem e sobre camila, acho que ela deveria pedir para o marido ficar em casa com a criança e ir trabalhar.rsrsrs