quarta-feira, 25 de junho de 2008

O tom das estações.

Primavera
Cravo na lapela,
Cesta com frutos, a ela oferece.
Coroa de flores no cabelo dela.
Cada instante é pra sempre, nada se esquece.
Afinal, é primavera.

Cheiro de flor,
Cheiro de festa.
A beleza é o que resta.
Nada mais interessa.
Afinal, é primavera.

Verão
Vestido no varal,
Anuncia a estação.
Ritmo de carnaval,
Enaltece o verão.

Batuques, tambores e afins.
Esta mistura nos aquece.
Pierrô, colombinas e arlequins.
O calor humano sempre padece.

Um arco-íris se forma da água que sai da mangueira.
A folia nos envolve em um tom de brincadeira.
Diversão no quintal, a infância resiste.
As janelas estão abertas, pois a felicidade na rua reside.

Outono
As folhas d’outono pelo chão se espalham,
Período velado, sombrio e multicolorido.
Pisar em folhas secas, ouvir barulhos estalados,
Contrapondo o vestuário garrido.

Em cada instante uma suave brisa,
Aclamando por um acorde diminuto.
Alaranjada sua cor, és notável, és rígida.
Faz da noite gêmea do dia, colhendo um desejo astuto.

Inverno
A mais longa estação, a mais especial, a mais fria.
Aquecerei-te neste inverno, envolvendo-te nesta magia.
És encantadora, és lírica, harmoniza a distância de tudo.
Seu cachecol felpudo envolve meu paletó-de-veludo.

A fumaça que sai da fala ultrapassa a sala e atinge o peito.
A palavra doce da amante rara, no ar paira e do mundo esqueço.
Aparência romântica, o glamour da estação.
O inverno é isto e mais nada, miscelânea de poesia com emoção.

2 comentários:

Regiane disse...

Quero me aquecer no inverno com você, me refrescar no verão com você,contemplar as flores da primavera com você,curtir este tempo sombrio e multicolorido com você.

Muito bom seu texto meu amor, como sempre, em tudo que você faz


Te amo bjs

vicente cortello disse...

belo inverno.