quinta-feira, 2 de abril de 2009

Tentativas de versos - No ímpeto.

Sem destino, cruzava o estado. Calado.
Impossível esquecer as dores.
Devido aos amores, não via as cores.
Passava por placas, luzes e rosas.
No dia seguinte, acordou no guard-rail.
Entre estilhaços, flores e prosas.

10 comentários:

burns disse...

Gosto desses textos curtos.
Você consegue trazer uma história cheia de sentimentos em poucas palavras.
Parabéns.
Abraço.

disse...

Gente...andar desatento no trânsito é isso que dá! rsrs Geralmente é uma fuga é pensada como melhor solução, mas pode não ser.

Muito legal!

INDICOESSE disse...

To querendo imaginar a cena!

Parece ser uma poesia muito profunda e intelectual, difícil de entender de primeira, talvez isso seja bom, faz agente pensar mais vezes...

quem ainda não teve dores devido a amores?
Profundo!

Anne Cavalcanti disse...

It's so good...
but...
what is guard-rail?

INDICOESSE disse...

Estou sentindo falta das suas crônicas, eram muito boas! Suas poesias e textos curtos tb!

Ótimo sábado e domingo!

betella's disse...

Calados, são calados por nunca esquecerem as dores, principalmente se causadas por amores.

Greta Poltronieri disse...

Foi uma tentativa e tanto...rsrsrs
Você tem uma cabeça cheia de lampadas acesas.
bju!

INDICOESSE disse...

Seu leitor fiel tá ansioso pra ver mais posts seus!
ABraço

Marina disse...

Microcontos!!!!!!
Sou apaixonada!

Regiane disse...

Tem que ser muito bom para em poucas palavras, mostrar tanto sentido.


Bjos